Hoje vamos falar sobre o tratamento “estrela” na reprodução assistida: fertilização in vitro com microinjeção de espermatozóides (FIV-ICSI).

Na FertiMed, acreditamos que a reprodução é inerente ao ser humano. É uma das nossas funções biológicas básicas: poder ter filhos. De fato, essa é a razão pela qual a FertiMed existe; Esta é a missão que nos move diariamente: ajudar-lo a ter filhos quando, naturalmente, isso não é possível. Esse é o nosso trabalho: identificar o problema que atrapalha ou impede o processo, resolvê-lo e fazer com que possa ser mãe/pai.

Felizmente, a maioria dos problemas que o separam da gravidez desejada é simples e é resolvida por meio de um tratamento de fertilização in vitro com microinjeção de espermatozóides (IVF-ICSI).

Quais são esses problemas?

Entre outros, os problemas “simples” que impedem a gravidez têm origem em:

  • Disfunções do processo ovulatório das mulheres.
  • Problemas morfológicos ou bioquímicos do sistema reprodutor feminino.
  • Problemas seminais do homem.

Em artigos sucessivos, falaremos detalhadamente sobre esses e outros problemas que definem os diferentes tipos de disfunções em cada caso. Agora, vamos explicar o que é um tratamento de fertilização in vitro e como o desenvolvemos na FertiMed Faro para resolver a maioria dos problemas de fertilidade dos nossos pacientes. Para isso, é necessário explicar previamente um processo de fertilização e gestação natural, assim poderá entender como, por meio da fertilização in vitro, podemos resolver a maioria dos problemas que dificultam o desenvolvimento desse processo.

O processo ovulatório.

A célula reprodutiva feminina é chamada de ovo. As mulheres nascem com aproximadamente 2 milhões de óvulos que vão perdendo ao longo dos anos e  (cerca de 11.000 por mês), sem a possibilidade de produzir mais ao longo da vida. Esses óvulos estão localizados dentro dos ovários e, especificamente, dentro de um tipo de saquetas chamadas folículos.

Bem, o processo ovulatório começa com a maturação ou crescimento do óvulo dentro do folículo. Este é o primeiro passo e ocorre no primeiro dia do período. O corpo começa a secretar uma hormona folículo-estimulante que fará o óvulo crescer dentro de um dos folículos até que ele se abra e permita que o óvulo maduro saia. Isso acontece 10 a 14 dias após o início do período; o ovo maduro será então direcionado para a trompa de Falópio. O processo de crescimento do óvulo dentro do folículo é chamado de fase folicular e o processo de libertação do óvulo é chamado de fase ovulatória.

O folículo onde o ovo estava, uma vez libertado, é transformado no corpo lúteo, um elemento que produz progressivamente a progesterona. Essa hormona tem a função de preparar o útero para a recepção do embrião.

O óvulo passa dos ovários para a trompa de Falópio, onde permanece por 24 a 30 horas, à espera de um espermatozóide que entra em contato com ele e o fertiliza.

Devemos ter em mente que o espermatozóide é capaz de sobreviver no sistema reprodutor feminino (útero e / ou trompas de falópio) entre 3 e 5 dias.

O processo de fertilização e gravidez.

Os espermatozóides (milhões) que atingem as trompas de falópio encontram-se com o óvulo. De entre eles, um consegue entrar no óvulo e fecundá-lo, gerando uma mudança espetacular, a transformação do óvulo em embrião. Essa transformação é progressiva e ocorre à medida que o óvulo fecundado ou zigoto continua seu caminho até o local onde terá que se  implantar para continuar o processo de gravidez: a parede do útero, designada por endométrio.

Durante este processo, tem início a divisão celular para que o embrião evolua e que se possa implantar no endométrio. Evolui de 1 célula (zigoto) e ao fim de vários dias de crescimento atinge o estadio de mórula e depois de blastocisto (cerca de 5 dias).

A partir do momento da implantação, começa a gravidez e o processo de mudança, crescimento e definição das células do embrião  que começará a sua transformação num futuro bebé.

Existem muitas alterações que podem impedir que esse processo se desenvolva adequadamente. Vamos ver como, com a fertilização in vitro (FIV), conseguimos simplificar o processo e resolver a maioria das disfunções que impedem que se seja mãe/pai.

A fertilização in vitro com microinjeção de espermatozóides começa com a estimulação ovárica adequada. Como vimos, no processo natural, um ou no máximo dois óvulos são obtidos. O que fazemos na FertiMed Faro é promover o crescimento folicular para obter o número máximo de óvulos maduros e prontos para fertilizar, sem correr riscos para a saúde das nossas pacientes.

Esta fase dura entre 10 e 12 dias e é acompanhada por várias consultas médicas.

Uma vez que tenhamos ovos maduros dentro dos folículos, procedemos à sua absorção ou extracção através de punção ovariana.  Este é um procedimento que é realizado na sala de operações da FertiMed Faro com um ginecologista, anestesista, uma equipa de enfermagem e o apoio de biólogos especialistas em embriologia.

No mesmo acto, obtemos e preparamos uma amostra de sémen do homem (no caso de um parceiro) ou preparamos uma amostra de um doador no nosso laboratório de andrologia.

Imediatamente, os óvulos e a amostra de esperma previamente preparada vão para o laboratório de embriologia da FertiMed Faro onde a equipa de embriologistas procede à microinjecção do espermatozóide seleccionado no núcleo dos óvulos previamente extraídos.  Este é um processo meticuloso que é levado a cabo através de microscópios especialmente concebidos para o efeito.

O que antes víamos acontecer naturalmente nas trompas da mulher, assistimos agora “in vitro” através do microscópio dos nossos embriologistas: referimo-nos ao momento em que duas células reprodutivas se tornam uma única célula (o zigoto), a primeira de toda uma série de divisões que culmina no organismo do futuro bebé. 

Este processo de divisão é controlado “in vitro” em incubadoras por um período de 3 a 5 dias.  Após esta fase temos uma série de embriões prontos para serem transferidos para a parede do útero (o endométrio) onde terão de ser implantados e continuar com o processo natural de gravidez.

Paralelamente à fase de cultura do embrião, procedemos à preparação adequada do endométrio para que este se encontre em condições óptimas para a implantação dos embriões quando chegar o momento. 

Assim, três a cinco dias após a extracção dos ovos, os pacientes regressam à FertiMed para que os embriões sejam transferidos para o endométrio. 

Na FertiMed implantamos geralmente um embrião a partir do total daqueles que gerámos. 

O resto é criopreservado para ser utilizado no caso do embrião transferido não se implantar e gerar uma gravidez.  Desta forma, evitamos repetir todo o processo sempre que é necessária uma transferência de embriões.

Vemos que, com um tratamento de Fertilização In Vitro, podemos resolver:

  • Problemas ovulatórios que impedem que os ovos cresçam e gerem adequadamente. 
  • Problemas morfológicos que impedem o movimento dos gâmetas (esperma e ovos) através do sistema reprodutor feminino.
  • Problemas com a mobilidade e qualidade do sémen que impedem a fertilização adequada do óvulo.

Na sua essência, a maioria dos problemas simples que impedem os nossos pacientes de serem pais. 

É normal conseguir uma gravidez natural em tentativas sucessivas durante 12 meses. Se após este período não o tiver conseguido, há provavelmente uma alteração que dificulta o processo. Neste caso, chame-nos para marcar uma consulta sem compromisso, avaliar o seu caso e ajudá-lo a conseguir a gravidez desejada. 

Dr. Alberto Naveda